Uma história inacabada 2
 

Por Rodrigo Munari e Maurício Freitas.

Camilo, era um guri querido.
Tinha 10 anos, cabelos cacheados, pernas finas e falava pouco.
Sua cabeça era cheia de ideias, muitas delas.
Ele era uma pessoa inteligente, mas precisava de concentração e um certo esforço para
se comunicar. Alguns dos seus colegas não o entendiam, mas respeitavam o seu jeito.
Ele era bem sério, quando alguém em tom de brincadeira dizia algo que era pura imaginação, ele não achava muita graça.
Olívia sabia disso, era uma amiga de verdade.
Tinha 10 anos, cabelos compridos e cacheados, pernas grossas e falava muito.
Às vezes, na escola, era ela quem traduzia para os colegas as coisas que Camilo não conseguia expressar direito.
Um dia ele contou para ela, que a cabeça dele era tipo um armário, cheio de coisas meio bagunçadas e, de vez em quando, era um pouco demorado para encontrar a coisa desejada naquela pequena desorganização. Por isso ele se balançava repetidamente, o
movimento contínuo o ajudava a encontrar a coisa dentro da sua cabeça.
Tu sabes o que é TEA – Transtorno do Espectro Autista – ?
A Olívia e o Camilo sabiam bem, ela por ser amiga de uma pessoa com TEA, e ele, por ser uma pessoa com TEA.
Tem uma porção de gente que ainda não sabe: algumas pessoas com autismo tem uma audição mais sensível a sons e barulhos.
Digo isso porque naquela tarde, eles precisaram ser muito espertos.

Pois naquela tarde ocorreu algo que nem Camilo e nem Olívia esperavam, haviam sim os colegas que respeitavam o seu jeito, porém infelizmente também haviam os que mesmo sem motivos, não gostavam e não respeitavam o Camilo.

Esses colegas sabiam sobre os seus problemas e estavam pretendendo tirar proveito disso para fazerem uma brincadeira de mau gosto com o pobre garoto.

No recreio como de costume, Camilo estava sentado em um banco perto da cantina ao lado de Olívia, era normal eles ficarem ali, lanchando e conversando, eram realmente bons amigos.

Porém neste dia, algo que não era muito normal aconteceu, 5 colegas nada próximos de Camilo apareceram ao redor do banco, diziam que queriam brincar com ele. Camilo ficou muito alegre, olhou para Olívia e assim que viu a expressão em seu rosto, sabia que ela estava contente também.

Camilo então aceitou ir brincar com seus colegas, disse para Olívia que voltaria logo e então se foi com seus novos amigos. Mas a ‘’brincadeira’’ não foi como Camilo estava esperando, não era uma brincadeira no pátio ou coisa parecida, e sim no banheiro masculino, algo não muito normal.

E foi lá que os garotos revelaram suas verdadeiras intenções, disseram para Camilo que realmente estavam lá para brincar, mas ele não estava incluído nisto, pois ele que seria o motivo das brincadeiras, começaram a caçoar com o garoto, fazer piadas de mau gostos e coisas parecidas. Camilo estava assustado, queria sair dali, mas os garotos não deixavam e o empurravam contra a parede. Eles então afirmaram que sabiam dos problemas de Camilo, e sobre sua audição que era muito sensível.

Com isso, dois garotos foram em cima de Camilo e o seguraram para que ele não se mexesse, enquanto os outros três se aproximavam dos ouvidos de Camilo e faziam barulhos extremamente altos. Para uma pessoa ‘’normal’’ apenas seria um barulho irritante, nada demais, mas para Camilo que era um caso especial, estava sendo realmente uma tortura, lacrimejava de dor.

Olívia então percebeu que Camilo estava demorando, já se havia passado muito tempo, e foi procura-lo. Procurou em todos os cantos e nada, já preocupada, foi perguntar para suas amigas se haviam o visto, no caminho até elas, cruzou pelo banheiro masculino e acabou vendo que estava bem cheio, olhando melhor, viu que era os cinco garotos, e olhando melhor ainda, viu que estavam machucando o Camilo.

Olívia gritou, falou para os garotos o soltarem, mas eles se recusaram, falaram para ela sair se não seria pior, mas Olívia se recusava, e gritava mais ainda. Seus colegas que estavam perto, viram que tinha algo de errado, se aproximaram para ver o que estava acontecendo. Quando se deram conta da situação, foram ajudar a Olívia e logo chamaram uma professora.

A professora logo veio, entrou no banheiro e chamou a atenção dos garotos, nesse momento que eles se deram em conta que estavam ferrados, e com todos os olhares decepcionados de seus colegas, viram que suas atitudes estavam erradas.

Camilo desesperado foi ao encontro de Olívia que o abraçou para tentar acalma-lo, Olívia foi ao encontro dos garotos, perguntaram por que de suas atitudes, mas eles não respondiam, ficavam em total silencio, e ela continuava a perguntar o motivo disso, Camilo nunca fez mal a ninguém, ele não merecia isso só por ser diferente era o que ela dizia.

Camilo então mais calmo se aproximou dela e olhou para os garotos, e então olhando em seus olhos ele disse que os perdoava, não entendia a razão deles terem feito isso, mas mesmo assim não sentia rancor, e queria tentar formar uma amizade. Os garotos se emocionaram, começaram a pedir desculpas sem parar, dois deles até choraram, Camilo só sorriu e disse que estava tudo bem.

Após esse dia Camilo foi aceito por todos, era respeitado, ninguém mais o olhava como alguém diferente, e sim como um colega, um amigo.

ACOMPANHE RODRIGO MUNARI NAS REDES SOCIAIS

  • Black YouTube Icon
  • Black Vimeo Icon
  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Instagram Icon