Uma história inacabada 2
 

Por Rodrigo Munari e Joice Raquel Moraes

Camilo, era um guri querido.
Tinha 10 anos, cabelos cacheados, pernas finas e falava pouco.
Sua cabeça era cheia de ideias, muitas delas.
Ele era uma pessoa inteligente, mas precisava de concentração e um certo esforço para
se comunicar. Alguns dos seus colegas não o entendiam, mas respeitavam o seu jeito.
Ele era bem sério, quando alguém em tom de brincadeira dizia algo que era pura imaginação, ele não achava muita graça.
Olívia sabia disso, era uma amiga de verdade.
Tinha 10 anos, cabelos compridos e cacheados, pernas grossas e falava muito.
Às vezes, na escola, era ela quem traduzia para os colegas as coisas que Camilo não conseguia expressar direito.
Um dia ele contou para ela, que a cabeça dele era tipo um armário, cheio de coisas meio bagunçadas e, de vez em quando, era um pouco demorado para encontrar a coisa desejada naquela pequena desorganização. Por isso ele se balançava repetidamente, o
movimento contínuo o ajudava a encontrar a coisa dentro da sua cabeça.
Tu sabes o que é TEA – Transtorno do Espectro Autista – ?
A Olívia e o Camilo sabiam bem, ela por ser amiga de uma pessoa com TEA, e ele, por ser uma pessoa com TEA.
Tem uma porção de gente que ainda não sabe: algumas pessoas com autismo tem uma audição mais sensível a sons e barulhos.
Digo isso porque naquela tarde, eles precisaram ser muito espertos.

Pois encontraramuma pessoa muito especial que se chamava Lucas . Ele queria jogar futebol , mas por ele ser uma pessoa especial, os meninos não deixaram ele jogar, então naquela hora apareceu Camilo e Olívia, que viram que o Lucas estava mal, eles foram tentar conversar com ele para saber o que estava acontecendo, com isso , os meninos que jogava futebol, chegaram e começaram a ofender Olívia e Camilo. Olívia nem deu importância para o que eles estavam falando, mas Camilo saiu correndo e foi direto para a diretora , contou tudo o que aconteceu, então a diretora foi até o local e falou com todos, e explicou que nenhum tipo de preconceito poderia acontecer naquela escola. No outro dia os meninos que jogavam futebol queriam provocar, e, então decidiram brincar de pega- pega com o Lucas, ele aceitou e ficou muito feliz. Mas quando eles estavam já brincando, um menino empurrou o Lucas e machucou ele, Lucas caiu no chão e bateu a cabeça, desmaiou, com isso foi levado para o hospital, acordou horas depois com a visita do menino que o derrubou, ele pediu desculpa para o Lucas e então os dois ficaram amigos, e começaram a brincar juntos na escola. Lucas ficou muito feliz e conseguiu realizar seu sonho que era, jogar no campeonato de futebol da escola. Com isso todos perceberam que não importa se a pessoa tem problemas de saúde, é mais pobre, ou é alguma pessoa especial, ninguém pode sofrer preconceito, racismo , ninguém precisa ouvir coisas dos outros só porque a pessoa é riquinha ou não consegue conviver com pessoas de outras religiões e outra cor de pele. Não é porque a pessoa tem a cor mais escura que ela rouba , mata e faz coisas erradas, nós podíamos parar pra pensar que fazemos muitas coisas erradas , falamos coisas que machucam muito e isso as vezes não tem volta então vamos parar e repensar nas nossas atitudes , tem vezes que é melhor nós ficarmos calados.

ACOMPANHE RODRIGO MUNARI NAS REDES SOCIAIS

  • Black YouTube Icon
  • Black Vimeo Icon
  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Instagram Icon