Uma história inacabada 1
 

Por Rodrigo Munari e Patrick Oscar Froehlich


Contraditorionópolis, era um povoado pacato naquele ano de 1820. Leste bem, era.
Cravado em um vale rodeado de belos morros, possuía as estações do ano bem definidas: no inverno fazia frio; no verão calor; no outono as folhas das árvores caíam; na primavera nasciam flores, tudo bem certinho.
A geografia do lugar era perfeita, a água limpa e abundante, as terras aráveis e férteis, bem como o sol e a chuva, que alternavam as suas presenças respeitosamente, fazendo das plantas e animais que ali viviam, seres saudáveis e potentes. Tudo se complementava, a engrenagem funcionava bem.
Ao redor do ano de 1700, chegaram vindos sabe-se lá de onde, os humanos. Filhotes, fêmeas e machos. Apaixonaram-se pelo lugar. Eles traziam na bagagem algumas ferramentas que usariam na construção das suas moradas, no preparo das suas lavouras, no corte das árvores, no feitio dos poços e na produção de coisas diversas. Traziam armas também.
Foi aí que a engrenagem sofreu seu primeiro solavanco, os humanos agiam como se não fizessem parte daquela estrutura ecológica, a relação era de apropriação e transformação.

Havia um bando que parecia ser mais especial, pois todos os outros humanos quando chegavam perto deles, se curvavam e faziam um gesto de reverência com os braços e mãos. O nome do humano macho que parecia ser o líder, era Rei ou Majestade, ou os dois.

Ele tinha ao seu lado um humano fêmea, a Rainha, que também era chamada de Majestade. Ambos, os Majestades, tinham uma ninhada de filhotes que eram chamados de príncipes e princesas, e cada um atendia por um apelido: Niburço, Nacleto, Nastácio, Nardete, Varlete e Chacrete, esta última, uma dançarina.
Os humanos organizaram-se em bandos chamados família, construíram casas, um templo onde realizavam uns rituais meio loucos, falavam com um ser que ninguém enxergava, e foram procriando, formando mais bandos, se espalhando pelo vale.
As coisas foram mudando ao longo dos 120 anos, mas, nada até agora fora tão impactante quanto o surto-pancadônico de janeiro.

O ano de 1820 entraria para a história de Contraditorionópolis.

Seria uma bactéria, um vírus, algum tipo de magia ou uma outra coisa desconhecida? Qual, que ou quem era o agente de toda aquela mudança?


O agente de toda aquela mudança era um vírus que por si só começou em um país
distante dali, o país em si era a China onde viviam muitas pessoas homens, mulheres e
crianças. Esse país suas regras eram diferentes lá em vez deles comerem animais como
bois,porcos e galinhas eles também comiam outros bichos que ninguém queria comer
como cavalos,cachorros e ratos além deles comerem morcegos.
Como os chineses comiam esses bichos diferentes um deles especificamente o morcego
fez com que todo o mundo ficasse em alerta pois ele era o causador do novo vírus o
Coronavírus (COVID-19).
Esse vírus além de causar insuficiências respiratória, dor de cabeça, diarreia, problemas
pulmonares entre outros sintomas graves e se não fosse logo tradado poderia matar a
pessoa que estava infectada.
O Rei, a Rainha e seus filhos e filhas foram os primeiros a pegar o Coronavírus pois na
cidade de Contraditorionópolis que ficava perto da China.Como esse vírus era muito forte
a família não conseguiu fazer o tratamento para combate-lo, e acabaram todos morrendo.
Esse vírus começou a chegar em vários países como Itália, Espanha, Estados Unidos e
no Brasil.
Muitas pessoas estavam morrendo por causa dessa doenças já foram mais ou menos
1.000.000 de casos confirmados de mortes causadas por ele.
Os cientista e médicos estão tentando descobrir uma vacina para a prevenção, e
remédios para as pessoas se protegerem do Coronavírus.
Mas as pessoas também precisam se cuidar não é por que os cientistas estão fazendo
algo contra isso que as pessoas iram viajar ou sair de casa. A melhor coisa para se
proteger é ficar em casa, lavar bem as mãos e usar álcool em gel se caso não tiver
sabonete para se limpar.
Mas no final das contas os cientistas e médicos iram descobrir algo para deter essa
doença que está em quase todo o mundo.
As pessoas que são mais atingidas são as pessoas idosas, por isso devemos nos cuidar
não ficando muito perto deles e nem se encostando muito como dando abraços e beijos.
Já foram mais de 1.6 milhão de pessoas infectadas no mundo mas este número está
sempre mudando cada dia aparece mais um caso de Coronavírus.
O mundo logo ficará seguro pois esse vírus terá uma cura e todas as pessoas poderam
conviver juntas como viviam.

ACOMPANHE RODRIGO MUNARI NAS REDES SOCIAIS

  • Black YouTube Icon
  • Black Vimeo Icon
  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Instagram Icon